quarta-feira, 15 de julho de 2009

Belo Horizonte está azul *

Uma rápida passada pelo centro de Belo Horizonte é suficiente para perceber que a cidade está azul.

São dezenas camisas do Cruzeiro e poucas do Atlético, líder do Campeonato Brasileiro.

Não se fala em outra coisa na capital mineira. Nas filas do banco, no trânsito, nas bancas de jornais, a decisão da Libertadores é o tema.

Também, pudera, a imprensa não tem outro assunto.

O jogão entre Cruzeiro e Estudiantes deixou as páginas esportivas para ser pauta, também, nos cadernos de saúde, segurança e de entretenimento.

A noite será de euforia celeste, caos no trânsito e muito faturamento para os botecos de BH.

Em campo, dois bons times. O Cruzeiro é melhor, por isso o favoritismo.

A esperança portenha está nos pés de Verón, o único capaz de desequilibrar a partida para o lado dos argentinos.

O jogo poderá ser de festa para os cruzeirenses mas será, também, de despedida. Ramires faz a última partida com a camisa celeste. Não é novidade um ídolo cruzeirense se despedir do clube em uma decisão. Em 2002, Sorin deixou a Toca da Raposa após fazer o gol do título da Copa Sul Minas, em cima do Atlético/PR.

Por falar em coincidências, em 1997, no bicampeonato da Libertadores o Cruzeiro levantou a taça jogando contra um time que enfrentou na primeira fase. Naquela oportunidade o adversário foi o Sporting Cristal. Dessa vez, o Estudiantes.

Será uma longa noite de foguetório em Belo Horizonte, independente de quem sair do Mineirão com a passagem para Dubai garantida.
* Atualizado às 16h:
as duas principais praças do país não verão em TV aberta a decisão do maior campeonato da América.
A TV Globo preferiu transmitir para o RJ, Inter x Fluminense e, para SP, Flamengo x Palmeiras.
O presidente do Cruzeiro, Zezé Perrela, disse há pouco tempo, que não tem mais rival em MG. Rival do Cruzeiro é São Paulo, Corinthians, Internacional. Mas os nacionais torcedores celestes não poderão acompanhar o time do coração, a não ser que paguem por uma TV a cabo ou, se não puderem, que assistam em um bar, casa de amigo, por cima da cerca do vizinho.
Para a Globo o que importa é o lucro, a audiência de uma partida da 11a rodada do Brasileiro no lugar da partida mais importante da América. Quem deveria brigar pelos cruzeirenses fora de Minas não quer briga com a detentora dos direitos. Que se dane, também, a exposição dos patrocinadores para os dois estados com maior arrecadação do país. Por isso não me espanta o que já ouvi da boca de dirigente celeste, que o futebol seria melhor sem os torcedores. Assim, nem título de campeão do mundo tira MG do provincianismo.

Um comentário:

Blog do Deco disse...

Aguentar a mídia gambá!! A minha parte eu aprendi a fazer, não assistindo jogos desse time e mudando de canal nos poucos programas esportivos que iniciem matérias desses caras e que ando assistindo. O dia que São Paulinos, Palmeirenses e Santistas perceberem que são eles que dão audiência para esse time, nessa maldita tradição de "torcer contra", as coisas podem mudar.